Nesta quarta-feira, 11 de maio, o Plenário Raimundo Almada foi palco de uma Audiência Pública para discutir e debater os mais diversos assuntos relacionados ao Festival Folclórico de Parintins

Nesta quarta-feira, 11 de maio, o Plenário Raimundo Almada foi palco de uma Audiência Pública para discutir e debater os mais diversos assuntos relacionados ao Festival Folclórico de Parintins. O objetivo do debate é unir vereadores, autoridades municipais e estaduais, segmentos do ramo de hotelaria, culinária, agências de viagens, associações de bairros, representantes das agremiações folclóricas boi bumbá Garantido e Caprichoso, artistas dos bumbás e a população em geral em defesa do fortalecimento da maior festa folclórica do Norte do Brasil.

A discussão foi comandada pelo vereador Juliano Santana (PDT) e contou com a participação dos vereadores Mateus Assayag (PR), Vanessa Gonçalves (PROS) e Nelson Campos (PRTB); de representantes dos bois Garantido e Caprichoso; da Coordenadora Municipal de Cultura Sandra Vasconcelos e dos mais diversos segmentos do município.

O artista do boi bumbá Caprichoso, Jair Mendes, evidenciou que o Festival de Parintins garante emprego, renda e desenvolvimento para a cidade. “Não temos um Distrito Industrial, mas temos a arte e precisamos muito dela. Se essa festa acabar eu vou morrer, porque eu vivo em função dela”, declarou Mendes.

O artista do boi bumbá Garantido, Ito Teixeira, disse que os artistas das duas agremiações folclóricas trabalham com dedicação e satisfação, mesmo diante desta crise financeira vivenciada em todo o Brasil. “O nosso Festival não é dinheiro, é amor e paixão e vamos preservar nossa festa sim. Não vamos deixar ninguém tirar uma noite do Festival, senão estaremos caminhando para o fim. Por isso, temos que decidir aqui o que deve acontecer aqui”, afirmou.

A Coordenadora Municipal de Cultura Sandra Vasconcelos frisou que o Festival Folclórico de Parintins é o maior patrimônio do povo parintinense. Segundo ela, todos devem estar unidos em favor dessa manifestação folclórica. Ela quer que o município de Parintins tenha autonomia do seu próprio Festival.

O diretor administrativo do Boi Caprichoso, Elias Michiles, declarou ser inaceitável a afirmativa de que o Secretário de Estado de Cultura Robério Braga em nenhum momento disse que uma noite do Festival de Parintins seria cancelada. “Nossa causa é honesta e existe sim um risco eminente de terminar o Festival. Temos um milhão de reais em folha para pagar e nós não temos um centavo. Vale ressaltar também que se nós não tivermos mais o nosso Festival, os nossos artistas não mais sairão daqui para trabalhar fora do Estado. Por isso, é hora de deixar as bandeiras partidárias de lado e abraçar essa causa”, frisou.

O Vice-presidente do Garantido, Fábio Cardoso, enfatizou que o Festival Folclórico de Parintins é a identidade cultural maior do Estado do Amazonas e da Região Norte. “A nossa bandeira é o Festival de Parintins. Dessa forma, lutamos para que em hipótese alguma seja reduzida uma das noites da nossa festa, pois o boi Garantido está preparado para apresentar três noites de espetáculo”, destacou Fábio.

O vereador Juliano Petro Velho, autor da propositura, apontou como alternativa financeira para ajudar o Festival de Parintins o cancelamento da Festa dos Visitantes. “Essa festa não traz nenhum benefício para a nossa cidade e gasta mais de um milhão de reais. Então, é bom investir esse dinheiro todo no nosso Festival Folclórico. Esta seria uma das alternativas para salvar a nossa festa”, ressaltou Juliano. Assim como pediu, em nome dos participantes da audiência, a planilha dos custos da logística do Festival, por parte do Governo do Estado do Amazonas.

O público presente criticou a informação do corte de 50% dos recursos oriundos do Governo do Estado do Amazonas. Todos também deixaram claro ser contra a redução de uma das noites do Festival Folclórico de Parintins. Dessa forma, os participantes uniram-se para solicitar do Estado a disponibilização de recursos necessários para os artistas dos bumbás apresentarem um espetáculo grandioso em 2016, digno do potencial da criatividade do povo parintinense.

Com informações da Assessoria de Imprensa da CMP