Em vídeo-mensagem, Francisco chama a atenção para a postura de alguns países que apelam à paz e, ao mesmo tempo, fornecem armamentos

Os meios de comunicação do Vaticano divulgaram nesta terça-feira, 5 de julho, uma vídeo-mensagem do papa Francisco em apoio à campanha “Síria: a paz é possível”, promovida pela Cáritas Internacional. “Hoje desejo falar de algo que entristece muito o meu coração: a guerra na Síria, que já entrou no seu quinto ano”, iniciou o pontífice.

Francisco lamentou a situação de “sofrimento indizível da qual é vítima o povo sírio, obrigado a sobreviver sob as bombas ou a encontrar vias de fuga para outros países ou áreas da Síria menos dilaceradas pela guerra” e manifestou apoio às comunidades cristãs que são afetadas pelas discriminações.

O vídeo do papa também é uma denúncia em relação às “incríveis somas de dinheiro no fornecimento de armas aos que fazem a guerra”. Francisco ainda chama a atenção para a postura de alguns países que apelam à paz e, ao mesmo tempo, fornecem armamentos. “Como se pode acreditar em alguém que com a mão direita nos faz carinho e com a esquerda no golpeia?”, questionou.

Ação

Como gesto, o papa encorajou adultos e jovens a viverem o Ano Santo da Misericórdia “com entusiasmo para vencer a indiferença e proclamar com força que a paz na Síria é possível”. O bispo de Roma faz um convite para que as pessoas rezem pela paz no país em vigílias de oração, em iniciativas de sensibilização com grupos, paróquias e comunidades. Ao mesmo tempo, dirige-se aos que estão envolvidos nas negociações de paz para que levem a sério os acordos e façam um esforço concreto para facilitar o acesso à ajuda humanitária. “À oração, devem seguir as obras de paz”, exorta.

A situação na Síria passa, de acordo com Francisco, por uma solução política, não militar. “ A comunidade internacional deve, portanto, apoiar os diálogos de paz rumo à construção de um governo de unidade nacional. “Unamos as forças, em todos os níveis, para fazer com que a paz na amada Síria seja possível”, propõe Francisco, “como um grandioso exemplo de misericórdia e de amor vivido para o bem de toda a comunidade internacional”.

Cáritas

A campanha da Cáritas soma-se às iniciativas desenvolvidas em favor dos sírios que ainda estão no país e aqueles que buscaram outro local para viver, como os milhares de refugiados. A instituição fornece alimentação, abrigo, assistência, proteção e meios de subsistência e auxilia na saúde, nas necessidades básicas e na educação. Organizações nacionais da Cáritas atingiram 1,3 milhões de pessoas no ano passado.

O presidente da Cáritas Internacional, cardeal Luis Antonio Tagle, reuniu-se com sírios no Líbano e Grécia. Na ocasião, afirmou que é necessário dar ao povo daquele país “esperança, dignidade e paz”. “Nos nomes de todas as pessoas tocadas por este conflito, nós estamos apelando a todos, podemos trabalhar para a paz na Síria”, afirmou Tagle.

Uma das iniciativas da campanha é um chamado aos apoiadores para que pressionem seus governos para que se certifiquem de que todos os lados do conflito se reúnam para encontrar uma solução pacífica; apoiem os milhões de pessoas afetadas pela guerra; e dê aos sírios, dentro e fora do país, dignidade e esperança.

A Cáritas lançou um novo site para apoiar a campanha. O endereço syria.caritas.org inclui obras de arte especialmente encomendadas do artista sírio Tammam Azzam (montagem ao lado), um filme de animação sobre a guerra, uma premiada série de fotos e depoimentos de sírios que vivem tanto no interior do país e quanto aqueles refugiados.

Fonte: CNBB