Os moradores do bairro Pascoal Alaggio voltaram a reunir para reivindicar junto a Prefeitura de Parintins que seja colocado em prática o projeto de pavimentação da Avenida Brasil, principal via do bairro.

Segundo a moradora Maria de Lourdes Ferreira da Silva, em assembleia que aconteceu na sexta-feira, dia 17, foi deliberado duas questões importantes, entre elas asfaltamento da principal via e anulação da eleição que escolheu os membros da nova diretoria de moradores.

Maria de Lourdes assegura que a prefeitura iniciaria o trabalho de pavimentação da Avenida Brasil na próxima terça-feira, dia 21.

Diante dessa informação foi decidido que os moradores vão aguardar pelo início da obra até a quarta-feira, dia 22. Caso não aconteça, na quinta-feira, dia 23, às 17h30min, os moradores vão iniciar uma manifestação para pressionar o poder público municipal.

A moradora disse ainda que há dinheiro para a execução do serviço e que uma licitação já foi realizada há três meses, no valor de 500 mil reais.

De acordo com Maria de Lourdes, os moradores estão descontentes com os membros da diretoria da Associação dos Moradores (AMBAPA), e por decisão unânime, inclusive com a presença do presidente, vice e alguns membros da diretoria foi deliberado a anulação da última eleição, tendo em vista que já se passaram sete meses e até o momento não foi registrada em cartório  nenhuma  ata legitimando a diretoria.

“Há um convênio da prefeitura, já houve uma licitação e o dinheiro referente a quase meio milhão de reais, que seria investido na pavimentação da rua principal do bairro, mas, até o presente momento a obra não iniciou. Inclusive, esse documento consta no portal da transparência. Estamos preocupados, pois vivemos um momento muito difícil com a poeira, coma proliferação de doenças respiratórias em nossas crianças e idosos”, disse a moradora.

O antigo loteamento, transformado em bairro no mês de agosto de 2012, possui mais de 200 famílias e todas passam por diversos problemas, entre eles a poeira proveniente das ruas sem pavimentação.

“O bairro tem uma população de 250 famílias e essas famílias têm idosos, crianças, pessoas com deficiência, pessoas que precisam de uma atenção especial. Nossas ruas não têm iluminação pública e está tomada pelos buracos. No período da chuva, temos verdadeiras lagoas, que nos impedem de sair de casa, e no verão, a poeira nos atormenta. Portanto, chamamos a atenção do poder público de modo em geral”,  disse Maria de Lourdes, que passou a ser porta voz dos moradores do bairro Pascoal Alaggio.

Red.: Neudson Corrêa