A Cáritas é uma entidade de promoção e atuação social que trabalha na defesa dos direitos humanos, da segurança alimentar e do desenvolvimento sustentável e solidário. Sua atuação é junto aos excluídos e excluídas em defesa da vida e na participação da construção solidária de uma sociedade justa, igualitária e plural. Em Parintins a cáritas já é uma realidade e tem como um dos coordenadores o padre Arilton Cascaes.

A grande missão da Cáritas em fase de implantação na Diocese de Parintins é ser a voz de um povo sofrido que enfrenta inúmeros problemas na Gleba de Vila Amazônia principalmente o desrespeito de políticos e empresários que se aproveitam dessas famílias para explorar as riquezas da região.

A reportagem do Jornalismo Alvorada esteve no fim de semana acompanhando a realidade desses moradores em uma reunião realizada entre os integrantes da rede cáritas e as lideranças de várias localidades da região.

O padre Arildon Cascaes, a leiga Geralda e Adailson Barroso coordenaram a reunião da Cáritas realizada na comunidade Irmãos Coragem. No local políticos não aparecem. Eleitos abandonam o interior. A realidade das comunidades passa longe dos olhos de quem está na cidade e é a igreja católica que se mantém como a voz de quem sofre com a falta de assistência do poder público.

Padre Arilton Cascaes coordenou reunião da Caritas.

Padre Arilton Cascaes coordenou reunião da Caritas.

No encontro os comunitários relataram seus problemas entre eles destaca- se o conflito de terras segundo relata a comunitária Júlia Cursino. “A situação entrou numa fase que até morte pode acontecer”, disse ela.

Outro problema tem sido a exploração ilegal de um areal na comunidade Mato Grosso. Empresários e até moradores de Vila Amazônia negociam com moradores e até sem permissão de comunitários exploram sem autorização da comunidade e de autoridades ambientais as riquezas da localidades.

Alguns moradores chegaram a relatar que as autoridades ambientais fazem vista grossa. Na estrada durante o período de verão os comunitários abrem outros ramais, pois a estrada fica intrafegável. Em alguns casos os buracos são tão próximos da rede elétrica que os postes caem e deixam localidades sem energia elétrica por muito tempo. O presidente da Comunidade Irmãos Coragem Adailson Rodrigues lamentou a situação. “Levam areia e se falarmos alguma coisa ainda nos ameaçam. A situação aqui é muito complicada”, afirmou.

Por conta dessas denuncias alguns moradores sofreram ameaçadas de morte. Alguns temem conversar com a imprensa, pois já foram intimidados. Uma das pessoas ameaçadas é a líder comunitária Júlia Cursino.

Um dos coordenadores da rede Cáritas Adailson Barroso explicou quais os procedimentos que serão tomados a partir desta reunião que é a realização de um seminário com a grande participação da comunidade e autoridades que possam discutir as problemática e encontrar soluções. “O seminário deverá ocorrer em agosto ainda definiremos se em Parintins ou em Vila Amazônia”, acentuou.

A Amazônia sofre e sangra todos os dias, mas com a união dos moradores da região, o apoio da igreja católica, por meio da rede cáritas será a resistência contra a destruição da região disfarçada de “desenvolvimento”.