Alguns pontos da cidade de Parintins estão sem iluminação pública. Os moradores dessas áreas reclamam da falta de reposição de luminárias por parte do setor competente.

A população também questiona sobre o destino do dinheiro arrecadado pela Prefeitura Municipal com a cobrança da Taxa de Iluminação Pública (CIP).

Um dos pontos críticos da cidade que sofre com a ausência da iluminação pública é a rodovia Odovaldo Novo, que de acordo com transeuntes, está quase toda no escuro. O caso não é isolado,  muitos locais de diferentes bairros, como Itaúna II, Paulo Corrêa, Djard Vieira e outros também são afetados.

O comerciante Antônio José da Silva, morador da rua Júlio Belém, Centro, reclama da falta do serviço de iluminação na rua onde mora.

A situação está meio difícil. À noite fica tudo escuro, até em frente à escola que tem aqui no bairro. Estamos precisando que o pessoal da iluminação pública passe fazendo a troca das luminárias queimadas, para ao menos a gente saber o que está pagando, porque estamos pagando sem ter o serviço.

Antônio também questiona sobre o destino do dinheiro arrecadado pela prefeitura, referente à taxa de iluminação.

Acho que é uma falta de respeito, quando elegemos uma autoridade pública, é obrigação que resolvam esse tipo de situação. Quando eu vejo no meu talão de luz está lá a taxa de iluminação pública, e agora quero saber pra onde é que vai esse dinheiro que a gente paga todos os meses.

Neste ano o município firmou contrato milionário com o grupo empresarial Consórcio Santstar, no valor de R$ 30 milhões. O Grupo ficará responsável pelo reordenamento do sistema de iluminação pública de ruas e prédios públicos da cidade.

O secretário de Obras, Luciano Saraiva, foi procurado pela reportagem no local de trabalho para falar sobre o assunto, mas não foi encontrado. Luciano Saraiva também não atendeu às ligações, o telefone se encontrava na caixa postal.

 Sebastião  Nascimento