Em meio à crise que o Festival Folclórico de Parintins enfrenta o advogado Jender Lobato alertou para que os pretensos candidatos à sucessão de Joilto Azedo evitem gastos exorbitantes já que a principal meta do futuro gestor do boi da Francesa e do Palmares é reerguer o Caprichoso financeiramente.

Para ele o abandono do governo causou muitos impactos negativos para a festa dos bumbás e ao touro negro. “Nós temos que fazer uma campanha propositiva sem gastos financeiros exorbitantes, não podemos fazer gastos, e gastos num momento de tamanha crise que o festival enfrenta”, disse ele que também é candidato a presidência do bumbá.

O advogado assegura que sua campanha vai iniciar após o festival de forma simples, mas rica de propostas. “Será uma campanha simples, mas de proposta para que possamos levar aos sócios todo o nosso conhecimento de administração, de direito público e de gestão pública para que a gente possa ajudar a construir um projeto futuro para que o boi Caprichoso possa se reerguer financeiramente”, anunciou.

Comissão

Com a situação em que se encontra o Festival e como uma forma de enfrentar a crise Jender Lobato sugere que uma comissão seja formada com vários nomes comprometidos com o Caprichoso para tentar tirar o boi dos problemas que tem enfrentado. “A nossa preocupação não é fazer campanha é fazer o Caprichoso forte. Eu abro mão da minha candidatura se nós entrarmos no consenso e tirar o Caprichoso dessa crise em que ele mergulhou”, afirmou.

Jender encerra pedindo que Caprichoso deixe de ter situação e oposição para de fato ter unidade. “Eu penso num boi onde devemos esquecer os egos, devemos baixar as bandeiras. Temos que ter uma bandeira sim, mas a bandeira do Caprichoso, a bandeira azul, pois só assim vamos conseguir fazer um boi melhor e não sofrer mais com esses impactos negativos”, finalizou.