Após forte chuva na tarde desta quinta-feira, 13 de setembro, moradores do bairro Pascoal Alaggio e do Residencial Vila Cristina solicitaram do Departamento de Jornalismo Alvorada, a presença da equipe de reportagem para mostrar o estado precário que ficam as ruas em períodos chuvosos.

Nossa equipe se descolocou primeiro ao bairro Pascoal Alaggio e constatou que desde sua entrada até o final, as ruas revestidas apenas pelo barro batido, tornam-se como pista de patinagem, escorregadias e intransitáveis.

O morador Paulo Silva, que empurrava sua bicicleta para não correr o risco de cair e preferiu não gravar entrevista, alega que já perdeu as esperanças de poder ver o bairro pavimentado. Ele afirma que cansou de solicitar ao poder público por melhorias, e que os serviços que são realizados no local são apenas uma “maquiagem” temporária.

No Residencial Vila Cristina equipe de reportagem se deparou com um enorme trecho em condições críticas logo na entrada do conjunto. O cartão de visita para quem chega ao local é uma enorme falha no recapeamento asfáltico, que quando recebe as águas da chuva se torna um lago em plena estrada.

Entrada do Residencial Vila Cristina

A moradora Bruna Lira que trafega pelo trecho todos os dias para ir a Universidade relata o estado problemático que as pessoas do residencial enfrentam todos os dias.

“Durante os dias de chuva nós sofremos bastante, principalmente quem tem que se deslocar para ir à faculdade, ao trabalho e precisa passar por esse trecho na entrada do conjunto. Um bairro distante do centro urbano também necessita de cuidados, pois pagamos nossos impostos e não recebemos nossos benefícios quanto cidadãos”, declara.

Além do problema da precariedade da entrada do bairro, os moradores relataram a péssima condição do sistema de esgoto sanitário das casas, que se agrava com as chuvas.

Na maioria das casas, segundo relato dos próprios moradores, a água que é usada na cozinha, nos banheiros e na lavanderia,acaba voltando pelo cano dos ralos e torneiras, o que ocasiona grandes alagamentos nas residências.

Casas inundadas pela água do sistema de esgoto sanitário

Por ocasião deste problema, as crianças do conjunto acabam ficando sem aula toda vez que chove forte, devido a casa que hoje serve como prédio para as aulas também sofrer com as alagações.

O comerciante Dienerson Silva, morador da Rua 15, explica que o problema é antigo e que a cada forte chuva, a preocupação com alagações aumenta.

“Aqui em nossa rua a água invade as casas em todas as chuvas fortes. Nós já tentamos bloquear com muretas e até elevar o nível do piso, mas o problema é que água retorna pelo ralo e até pelas torneiras”, afirma o morador.

A presidente da Associação dos Moradores do Residencial Vila Cristina, Ivone Eleutério, explica que, “as pessoas quando vieram para o local acreditaram que iriam morar num residencial dos sonhos, com ruas em pleno estado de trafego, com segurança e com tratamento correto da água usada no cotidiano”.

Ela conclui, “a realidade mostra outra situação e os pedidos por melhorias no local são feitos com frequência, mas a concretização das promessas nunca são realizadas”.

Red.: Marcos Felipe