Apesar de realizar ação de preservação e conservação das espécies que habitam os lagos da região do Parananema há quase 20 anos, a Associação Ambiental dos Moradores e Produtores Rurais da Comunidade do Parananema (Amosp), busca unir forças com órgãos, entidades sociais e ambientais de Parintins apara continuar com a atividade.

Como o trabalho apresentou alguns reveses nos últimos anos, com o aumento da pesca predatória e a constante captura de quelônios provenientes da atuação do Projeto Pé de Pincha na região, a Amosp busca apoio junto à comunidade católica existente da comunidade para que o trabalho tenha efeito positivo.

O presidente da Amosp, Ilzo Reis, deverá reunir com os sócios da entidade ambiental e os comunitários do Parananema no próximo domingo, dia 22 deste mês, no Centro Comunitário São Pedro. A Associação precisa trabalhar amparada em documentos que permitam uma real ação de preservação das espécie de peixes e quelônios.

Ilzo Reis também sugere que o poder público municipal possa participar como parceiro na retomada da atividade ambiental no Parananema.

Red.: Neudson Corrêa